segunda-feira, 25 de março de 2013

A casa

Arquivo pessoal de Daniela Delias

há uma orquídea em minha porta
móveis que arrasto em dias de chuva
céus que desabam entre tenras paredes
porque são largas, são largas as fissuras

você entrou e não viu o mar, ouviu
e dissemos: é bruto o amor
corta, arranha, dilacera

coisas e palavras
cobrem de farpas e flores
um mesmo chão

mas você não viu o mar, ouviu
foi quando pus os meus pés sobre os seus
e dançamos à margem do dia

8 comentários:

Joelma B. disse...

Licença! Chegando, Daniela poeta!

teu silêncio em nova casa! linda casa!

beijo!

Por que você faz poema? disse...

Palavras pelo chão
enquanto dançamos
ao som do mar

Lou Vilela disse...

Como não vir? Linda casa!

beijo

Mateus Medina disse...

Aceito o cafezinho...

bjos

Rebeca dos Anjos disse...

Que lindo aqui, Dani! Parabéns pelo novo espaço!

Já atualizei lá no meu o seu endereço! :)

Beijos!

Assis Freitas disse...

tão pertinente A casa
morada larga
longas marcas

cheiro/beijo

Adri Aleixo disse...

Dá licença, tô entrando...
A casa tá linda, perfumada, encantada.

Beijos!!!

Germano Xavier disse...

Há uma voz incalável dentro de teus poemas, Delias. Isto sim.

Postar um comentário