sábado, 13 de julho de 2013

Penélope sem Ulisses

Penelope Unraveling her Work at Night - Dora Wheeler
Retirado de http://www.metmuseum.org/

Para Giliard Ávila Barbosa

casas guardam ausências
louças rompem silêncios
telas desenham arcos

ela fia, retalha, retorce
ela pensa nas mortes
que tombam exaustas
entre os corpos que não viveu

porque fosse cais e espera
a moça tece embaraços

4 comentários:

Giliard disse...

E eu porfio, com o verso,
E tergiversando
Não encontro palavra
Capaz de tecer
O teu universo
Avesso
À razão.

Como dizia Bandeira: "Teadoro, Teodora". :)

LINDO!

António Eduardo Lico disse...

Bela poesia.
Bom fim de semana.

M. disse...

Estou te seguindo. Gostei muito daqui... Se quiser, dá uma passada no meu blog, tb. Adoro a escrita, tb, e escrevo de tudo. Poesia, crônica, conto, meus pensamentos, enfim. Voltarei aqui. Parabéns.

Germano Xavier disse...

Sem mais.

Postar um comentário