sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Espelhos

Arquivo pessoal de Daniela Delias
Quando olho um rio,
rio inteiro olha

híbrido,
transcendo-me

Vasco Cavalcante




meu olho inteiro te olha
e é a mim que vejo 
turva, lânguida, cálida

à margem do rio
contra o branco das pedras
já não quebro espelhos


6 comentários:

Germano Xavier disse...

Flor de Narciso.

Jota Effe Esse disse...

No espelho se olha, na areia se penteia, na pedra se quebra, na mente se requebra, e depois mente. Meu beijo.

Adriana Riess Karnal disse...

Dani,
e só agora fui ver teu novo blog...pois é lindo, e quero voltar a ler tua delicada poesia

Fred Caju disse...

Que difícil esse poema.

Vasco Cavalcante disse...

Fiquei todos esses dias sem palavras para comentar esse post. E continuo achando que nada do que eu pudesse escrever aqui seria exatamente o que eu gostaria de dizer do quanto adorei ver esse poema de superposição, continuidade, de um olhar de uma poeta que admiro "demais", em cima de um poema que eu fiz. E um poema de uma intimidade muito grande que foi esse pensar sobre o rio e o meu olhar sobre ele em estado contemplação, absorvição mútua e transformação. Belo poema, de um final arrasador. Beijo grande.

Anônimo disse...

Espelhos d´´água!
wpassos

Postar um comentário