quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

1 poema no site Cronisias

Google - sem informação de autoria

Cântaro, um poema em prosa que escrevi em junho de 2013, foi publicado aqui, na bela Mandinga - Arte e Literatura - e agora no site Cronisias, pelo poeta/amigo Fred Caju, em 31/12/2013. Compartilho outra vez o texto, com desejos de um lindo 2014 para todos :)


É o vinho, ele diz. Não repare. Ou a chuva. Chove desde que você chegou. Telas, janelas, panos, cômodos. Tudo molha, chove a cântaros. Já tivemos um junho assim? Eu não sei. Aqui também chove o tempo todo. Pus um vaso-guarda-gotas sobre o criado-mudo, ao lado do caderno antigo. Recolhi as roupas. Afastei móveis e ruídos. Reli a carta, revi a cena. Era você naquele gesto? Meu passo, tua boca, dez segundos. Era você naquele mundo? Talvez eu te escreva um verso. Talvez eu te queira nua. Talvez eu esqueça o plano. Talvez eu já seja tua. É o vinho, ele diz. Ela não repara. Vontade de te abraçar. Vontade de dançar no teu abraço. Vontade de te beijar. Vontade de demorar no teu beijo. Suspira-se muito por aqui. Por aqui também - ele sussurra. Suspira-se como chove.

4 comentários:

Primeira Pessoa disse...

suspire-se como chove.
enchentes...

Adri Aleixo disse...

e mais enchentes...
Beijo!

Germano Xavier disse...

Fez-me lembrar.

Ricardo Alfaya disse...

Belíssimo poema em prosa. O Goulart Gomes tem razão em divulgá-la. Parabéns.

Postar um comentário