sábado, 20 de junho de 2015

Meninos

Google - sem informação de autoria

Para Manuela Santo, Clarice Pires, 
Raquel Tramasoli e Liliane Albino


dentro dos olhos
do menino sem nome
bailam as turbinas silenciosas  
de um avião sem pilhas

debaixo da manga do outro
uma coleção de feridas

mas no sonho dentro do sonho
o pequeno tigre não teme a noite
o boneco tem longos braços
a menina ainda é menina

e se move entre estátuas

1 comentários:

Germano Viana Xavier disse...

Quando o poema não é de todo tangível ao leitor, seu estado de luz é o enunciado posto em mistério. A não-incorporação do verso em sua plenitude também é sinal de poesia.

Tão bom ler você, Delias.

Postar um comentário