domingo, 20 de setembro de 2015

Sabre

Google - sem informação de autoria



“... esse rude descobrir-se e procurar-se, 
esse áspero sabor um do outro, sabe como é, o amor.”
Italo Calvino


que me tome os olhos
que me arme os dentes
que me engula aos poucos

o amor
esse leito de pedras
à margem da tua boca
essa língua de sabre
cravada em meus ossos

o amor
esse pássaro


4 comentários:

Germano Viana Xavier disse...

... que pousa na gente, faz-nos árvores, encravados num rouge regolito de onde seivas invisíveis são sugadas para se alimentar a cor verde do mundo. O amor é toda uma rajada de cores dentro da gente. E Calvino, sempre uma busca por.

Primeira Pessoa disse...

peixe.

Evan do carmo disse...

o amor é quase tudo, é quase medo, segredo, saudade!!!! o amor é abismo e liberdade.

Evan do carmo disse...

Poemas são como flores

Poemas são como flores
não se deve dar para qualquer um
há sempre um espanto de quem recebe
ou um desespero para quem oferece
Evan do Carmo

Postar um comentário