domingo, 19 de junho de 2016

Trópicos

Google - sem informação de autoria



não entendo
a posição dos ventos
a duração dos dias
mas sei de deuses 
que falam às sombras 
quando dançam sobre os trópicos

desde este braço de rio
tudo estranho, desconheço

sou eu esse salto de peixe
partindo o oceano 
em mil engrenagens

sou eu esse voo na noite
tomando do inseto 
a ausência de ossos

(Releitura - poema antigo que virou outro.)

2 comentários:

Germano Viana Xavier disse...

Invertebração do ser.
Poema lindo, Delias.

Vasco Cavalcante disse...

Lindo poema!!! (de novo e sempre)

Postar um comentário