segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Avenidas

Google - sem informação de autoria


à memória do teu olho esquerdo
atravessando as linhas do meu rosto
digo que tudo é mais
e chama

a vida
este ir e vir
de trens cansados
em avenidas subterrâneas

o amor
esta pequena armadilha
uma cidade sobre a outra
uma saudade que dissesse

é tempo de abrir a pele
e andar sobre o fogo

domingo, 6 de novembro de 2016

Canteiro

Imagem: Daniela Delias


no vão que faz o vestido
quando afunda entre as pernas
pus as pequenas pedras
e agora invento uma cidade

que pode uma mulher
quando arquiteta um templo
sem que lhe dobre o punho 
sem que lhe pese o colo
sem que se parta em muitas?

as menores coisas
dei de mover uma a uma